Home Embaixador Organigrama da Embaixada E-mail Relações bilaterais China ABC Serviço Consular  
 
 
 
 
  Home > temas actuais
 
 
  Questão de Taiwan
 
  ( 2004/05/12 )
 
 
    Taiwan tem sido uma parte inalienável do território da China desde as antiguidades. Segundo registros dos documentos históricos, os primeiros atos de desbravar e cultivar charnecas em Taiwan realizados por militares e civis do continente chinês podem se remontar até 1700 anos atrás. Taiwan foi ocupado pelos colonistas holândeses a partir de 1624 e depois recuperado em 1662 pelo Zhen Chengong, herói nacional da China. Em 1684 a Dinastia Qing estabeleceu “governo local de Taiwan” subordinado à Província Fujian. Em 1885, se estabeleceu oficialmente a Província Taiwan. Em 1894 a Dinastia Qing perdeu a Guerra Jiawu ao Japão e, em 1895, o Japão obrigou o Governo da Dinastia Qing a assinar o Tratado de Shimonoseki, ocupando por força  a ilha Taiwan e o arquipélogo Penghu. Em 1943 o Japão começou a devolver Manchúria e Taiwan e outros territórios roubados da China conforme a Declaração do Cairo. Em 25 de outubro de 1945, Taiwan voltou à administração chinesa. Em 1 de outubro de 1949 se proclamou a República Popular da China e o regime do Jiang Jieshi retirou-se a Taiwan, tomando Taiwan como seu abrigo sob o respaldo e apoio dos Estados Unidos da América. Taiwan caíu de novo na situação de separação do continente da Pátria.  
Realizar a reunificação completa da Pátria é o desejo comun de todo o povo chinês. É um assunto que envolve a dignidade da Nação chinesa e a integridade territorial e soberania do país. Já resolvemos exitosamente as questões de Hongkong e de Macau sob a orientação de “reunificação pacífica e um país, dois sistemas”. Vamos esforçar-nos por resolver, sob a mesma orientação e mais rápido possível, a questão de Taiwan. Existe apenas uma China no mundo, o Continente e Taiwan pertencem à mesma China. A soberania e a integridade territorial chinesa são inseparáveis. A reunificação pacífica só poderá ser alcançada com a persistência no princípio de “uma só China”. “Um país, dois sistemas” é o melhor formato para reunificar os dois lados do Estreito de Taiwan. Na solução da questão de Taiwan sob este formato, podemos aplicar políticas ainda mais magnánimas em comparação com as aplicadas a Hongkong e Macau. Depois da reunificação pacífica, Taiwan poderá manter o seu próprio sistema económico, o estilo da vida cotidiana, e administrar propriamente os seus sistemas partidário, político e militar. Mantendo também a sua autonomia judicial e o direito de julgamento de última instância, etc.. Em soma, a realização da reunificação pacífica protegerá plenamente os interesses reais e de longe prazo dos nossos compatriotas taiwaneses, beneficiando não só o povo chinês em que o povo de Taiwan também faz parte, como também a paz, a estabilidade e o desenvolvimento da região ásia-pacífica e do mundo inteiro.
Na questão de desenvolver relações entre os dois lados do Estreito de Taiwan, defendemos “uma só China, negociações entre os dois lados e a imediata realização de transporte, comércio e comunicação diretos”. Desde o início da reforma e abertura, as cooperações econômicas e comerciais através do Estreito de Taiwan se desenvolveram rapidamente. O volume do comércio acumulado já ultrapassou 200 bilhões de dólares americanos, os investimentos em contratos de Taiwan para o Continente já chegou a mais de 50 bilhões de dólares. Nos últimos dez anos, mais de 20 milhões de compatriotas taiwaneses já visitaram o Continente. Nós promovemos energéticamente a restauração mais cedo possível de diálogos e negociações entre os dois lados do Estreito de Taiwan e esperamos que as autoridades taiwaneses possam voltar, em breve, a aderir ao princípio de uma só China, criando condições para o reinício de negociações. Temos a maior sinceridade de realizar a reunificação pacífica, no entanto, não podemos nos prometer de abandonar o uso de força porque isso vai acabar encorajando as forças separatistas de Taiwan, impossibilidando, assim, a reunificação pacífica. Reunificar a Pátria é a determinação firme e imperturbável do povo chinês e também a nossa sagrada missão histórica. Desde que as autoridades taiwaneses concordem na solução da questão de Taiwan sob o princípio de “uma só China”, nós podemos esperar com paciência.

     Link:
     http://www.chinataiwan.org
 


Suggest to a Friend
       Print
E-mail to us